Cirurgias urológicas com uso do laser

Cirurgias urológicas com uso do laser

Nos dias de hoje, o uso do laser na urologia é considerado um procedimento consagrado, sendo utilizado no tratamento de diversas doenças urogenitais, desde condilomas venéreos (HPV ; "crista de galo"), até tumores malignos do sistema urinário.

Porém sua maior aplicação é no tratamento dos cálculos urinários (pedras) e na hiperplasia prostática benigna (HPB), a qual causa dificuldade em urinar nos homens . Assim, é possível operar o paciente sem fazer grandes incisões abdominais, além de acarretar um baixíssimo trauma cirúrgico para o paciente, causando menor dor pós operatória. Gerando uma alta hospitalar e retorno às atividades precoce e excelente resultado estético.

Hoje, o laser é considerado o tratamento de eleição para cálculos localizados no ureter superior e dentro do rim. O uso do laser é feito através de um ureteroscópio flexível, o qual é introduzido no ureter sob visão direta com controle radioscópico.

imagem1.[1]

Os ureteroscópios semi-rígidos são os mais utilizados em nosso meio, dado seu fácil manuseio, boa durabilidade e versatilidade. Quando necessário fragmentar o cálculo dado seu tamanho, a melhor fonte de energia é o holmium laser. O ureteroscópio flexível permite melhor acesso ao ureter superior, pelve e cálices. Ao final do procedimento pode ou não deixa-se um cateter ureteral tipo duplo J, que pode permanecer de uma até seis semanas. As complicações da ureteroscopia são pouco frequentes, citando-se entre elas a perfuração ureteral e as estenoses de ureter que acontecem em cerca de 0,5 a 1 % dos procedimentos.

imagem2.[1]

Uso do laser na próstata

A terapia GreenLight laser é uma nova opção cirúrgica minimamente invasiva para Hiperplasia Prostática Benigna (HPB), que consiste em vaporização da próstata (PVP), com a eficácia de um procedimento cirúrgico tradicional, conhecido como ressecção transuretral da próstata (RTUP), porém com menos sangramento, menos efeitos colaterais, menor tempo de cateterização e períodos de recuperação mais rápidos e menos dolorosos, com retorno precoce às atividades diárias. Habitualmente os pacientes recebem alta hospitalar em menos de 24 horas. Pode ser utilizado mesmo em pacientes de alto risco, que apresentaram retenção urinária e que estão em uso de anticoagulantes e nos portadores de marcapasso cardíacos.

imagem3.[1]

Green light laser, KTP-laser ou simplesmente laser verde. Trata-se da mais nova descoberta da medicina para o tratamento da hiperplasia prostática benigna. Tal laser se caracteriza pela emissão de um raio que é capaz de vaporizar o tecido prostático com altas temperaturas (acima de 100 graus), sem causar sangramentos. Além disso, a profundidade de penetração do laser no tecido prostático é baixa (2mm), diminuindo assim a ocorrência de sintomas urinários irritativos no período pós-operatório.

imagem4.[1]

One Response

  1. Excelente matéria, tem cobertura pela Amil?

Comments are closed.